CDE News

Você sabia dos Perigos ao Tratar da Osteoporose?

Os bifosfonatos (BF) são remédios amplamente utilizadas no tratamento de doenças relacionadas à perda óssea devido ao aumento da reabsorção óssea, que é característico de algumas condições como osteoporose, doença de Paget, mieloma múltiplo ou metástases ósseas osteolíticas.

Essas drogas alteram o mecanismo de reabsorção e remodelação óssea e por esse motivo teriam ação terapêutica na doença óssea.

À medida que o número de pacientes tratados com BF aumentou, os primeiros relatos de complicações associadas à ingestão crônica da droga começaram a surgir.

As complicações mais comumente associadas são mialgia e esofagite, bem como osteonecrose e mais recentemente alterações dentárias, como calcificação pulpar, hipercementose e anquilose dentária.

A osteonecrose dos maxilares relacionada a bifosfonatos (osteonecrose) foi relatada pela primeira vez em 2003, quando 36 lesões ósseas foram diagnosticadas na mandíbula ou maxila de pacientes em uso de pamidronato ou zoledronato.

Desde então, a osteonecrose tem sido reconhecida como uma condição médica com impacto significativo na qualidade de vida dos pacientes que usam esses medicamentos.

O mecanismo exato por trás do desenvolvimento dessa condição ainda não foi totalmente elucidado, embora três hipóteses plausíveis pareçam ser as mais prováveis. O BF parece ter uma maior afinidade por ossos que têm uma alta taxa de remodelação, como os maxilares. Ao impedir a atividade osteoclástica, o BF reduz drasticamente a remodelação óssea, que por sua vez pode ter sido desencadeada para o reparo ósseo.

Os maxilares são constantemente submetidos a estresse e micro danos, o que os tornaria mais suscetíveis a estímulos prejudiciais se os mecanismos de reparo falhassem. Outro fator importante seria o efeito antiangiogênico do BF, reduzindo a microcirculação e a vascularização óssea.

Finalmente, o BF parece ser tóxico para a mucosa oral, diminuindo a viabilidade e a proliferação de osteoblastos.

A soma desses fatores pode dificultar a recuperação dos ossos maxilares de grandes traumas, como a cirurgia e pode levar para o desenvolvimento da osteonecrose.

O tratamento da osteonecrose pode ser um desafio para o profissional de saúde, que deve levar em consideração a qualidade de vida do paciente, pois o tratamento pode ser paliativo com pouquíssimos relatos de cura.

Atualmente, não há consenso sobre um protocolo de tratamento totalmente eficaz para essa condição.

A terapêutica deve ser orientada por marcadores clínicos, como estágio da doença e dor, bem como medidas de precaução, como evitar intervenções que aumentem o risco de necrose e comprometimento de tecidos adjacentes, controle de infecção e irritação aos tecidos moles.

De acordo com a Sociedade Americana para Pesquisa de Ossos, a osteonecrose pode ser dividida em três estágios:

– Estágio 1, osso necrótico exposto que é assintomático.

– Estágio 2, osso necrótico exposto associado com envolvimento de tecidos moles adjacente ou regional.

– Estágio 3, osso necrótico associado a dor e infecção de partes moles adjacentes ou regionais, fratura patológica ou osteólise que se estende profundamente até a borda do osso cortical.

No estágio 3, resseção óssea, desbridamento e antibioticoterapia sistêmica são geralmente indicados.

O enxerto ósseo com biomateriais é comumente usado para reconstrução de áreas de reabsorção tanto em procedimentos ortopédicos quanto odontológicos. O enxerto é uma amostra de tecido do mesmo indivíduo (enxerto autólogo), um indivíduo da mesma espécie (homólogo) ou outra espécie (xenogênica ou aloplástica).

De acordo com a literatura científica disponível até o momento, o número crescente de casos de osteonecrose está relacionado a um número crescente de pessoas tomando bifosfonatos.

Portanto, é essencial que os profissionais de saúde estejam cientes dos fatores de risco, sinais e sintomas dessa condição e também de como lidar com as complicações decorrentes do uso desses medicamentos.

A abordagem terapêutica baseia-se no controle da infecção, reconstrução óssea e manejo do suprimento vascular, abordando as três principais teorias por trás da patogênese da osteonecrose:

– Redução da capacidade de reabsorção óssea que leva à redução da capacidade de reparo ósseo.

– Efeito antiangiogênico que reduz a circulação local.

– Toxicidade dos bifosfonatos para a mucosa bucal.

A descontinuação do medicamento muitas vezes não é indicada, pois pesquisas mostram que os bifosfonatos depositados no osso podem ficar biodisponíveis por mais de 10 anos e que não há dados suficientes para sustentar que a interrupção do BF reduz o risco de desenvolvimento de osteonecrose .

Embora os pacientes tratados com BF oral tenham menor risco de desenvolver osteonecrose (comparado ao tratamento intravenoso), é necessário estar ciente da necessidade de um programa de prevenção.

Por essa razão, seria útil antes de iniciar a terapia com BF por via oral, que o médico coletasse uma breve história de fatores de risco sistêmicos e locais dos pacientes.

Uma equipe médica multidisciplinar, formada de oncologistas e dentistas, pode se fazer necessária para o diagnóstico e tratamento corretos.

Para mais informações procure o seu médico.

FONTE:NCBI.

Comentarios

Más popular

Hasta arriba