Conectate con nosotros

Foz de Iguazú

Consumo de carne vermelha aumenta risco de doença cardiovascular, diz estudo

Publicado

en

A enfermidade cardiovascular promove a deposição de placas de gordura em artérias e vasos, o que pode levar a infartos do miocárdio e ao AVC (acidente vascular cerebral).

(FOLHAPRESS) – Um estudo publicado na revista Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology no início deste mês revelou que o TMAO (n-óxido de trimetilamina), produto químico gerado no intestino durante a digestão de carne vermelha, aumenta em 20% o risco da doença aterosclerótica.

 

A enfermidade cardiovascular promove a deposição de placas de gordura em artérias e vasos, o que pode levar a infartos do miocárdio e ao AVC (acidente vascular cerebral).

O trabalho é resultado de pesquisas feitas em conjunto pela Universidade Tufts, nos Estados Unidos, e pela Cleveland Clinic Lerner Research Institute.

Fizeram parte do estudo 3.931 indivíduos americanos com mais de 65 anos que foram acompanhados ao longo de 12,5 anos. Os pesquisadores ajustaram fatores de risco estabelecidos como idade, sexo, raça e etnia, educação, tabagismo, atividade física, hábitos alimentares, e outros.

Aproximadamente 10% do risco da doença é explicado pelo aumento dos níveis de metabólitos produzidos por bactérias intestinais a partir de nutrientes abundantes na carne, sendo um deles o TMAO.

Quanto maior a quantidade de carne vermelha, processada ou não, é consumida, o perigo aumenta. A proporção é de 22% de risco a cada 1,1 porção consumida por dia. Entretanto, a ingestão de peixes, aves e ovos não foi significativamente associada com doença cardiovascular aterosclerótica.

«Essas descobertas ajudam a responder a perguntas de longa data sobre os mecanismos que ligam as carnes ao risco de doenças cardiovasculares», disse uma das coautoras do artigo, Meng Wang, pós-doutoranda na Universidade Tufts, em nota sobre o estudo.

No entanto, para a nutróloga do HCor (Hospital do Coração), Thalita da Mata, é preciso enxergar esses resultados com parcimônia. «Esse estudo é observacional. Então, a gente tem que ter cuidado na hora de tirar conclusões a respeito porque ele não pode provar nenhuma causa e nenhum efeito».

O argumento é corroborado pelo próprio artigo ao afirmar que «mais estudos são necessários para determinar se os resultados são generalizáveis entre idades e nacionalidades», pois a pesquisa baseou-se em anos de dados dos National Institutes of Health (Institutos Nacionais de Saúdes dos EUA, em português), voltando-se para indivíduos americanos idosos.

Para os especialistas brasileiros ouvidos pela reportagem, a relação levantada pela pesquisa já era conhecida, porém, não se sabia como ela se dava.

«Essas recomendações acerca da melhora do padrão da dieta já eram sabidas. Mas o mecanismo que justifica essas intervenções e mudanças de estilo de vida está começando a ser descoberto», destaca o cardiologista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Leandro Costa.

O cardiologista, professor titular sênior e pesquisador do InCor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP), Protásio Lemos da Luz, ratifica. «A pesquisa acrescenta mais um dado a um conceito que nós já temos».

Ainda assim, da Mata afirma a relevância da pesquisa. «É um estudo muito importante porque demonstrou que a maior ingestão de proteína animal, proteína industrializada e proteínas que contém altos graus de conservantes pode ser pior para nossa saúde cardiovascular em decorrência dos produtos químicos que são gerados no nosso trato gastrointestinal».

Mas afinal, o quanto de carne vermelha se deve comer para a manutenção da saúde? O pesquisador do Incor, Lemos da Luz, diz que a quantidade depende do risco cardiovascular. Ou seja, o protocolo alimentar deve levar em conta fatores como histórico familiar de doença, alterações de glicemia e colesterol e, por fim, presença de evento cardíaco.

OUTROS RISCOS

O estudo ainda indica que o TMAO oferece outros riscos à saúde. A cardiologista Salete Nacif, do HCor, destacou que o metabólito pode estar por trás da maior incidência de diabetes e doenças renais.

Além disso, um artigo publicado na revista JAMA Network Open, em maio deste ano, apontou que o TMAO e metabólitos relacionados em adultos mais velhos estão associados a um maior risco de morte, independentemente de estar ou não associado a doenças cardiovasculares.

Os participantes com os níveis mais altos de TMAO tiveram um risco de morte de 20 a 30% maior em comparação com aqueles com os níveis mais baixos.

O PAPEL DO INTESTINO

O principal ator na produção do TMAO é o intestino, cuja saúde é «um tema muito pouco discutido», de acordo com a nutróloga Thalita da Mata. «Nosso intestino é nosso segundo cérebro. Ele é um órgão muito importante, pois através dele temos a modulação de vários hormônios e de várias substâncias. É onde a gente pode degradar essas substâncias ruins. Esses estudos vêm mostrar que nosso intestino está relacionado com o todo».

«A microbiota intestinal é fundamental por ser quem metaboliza tudo o que comemos», concorda Protásio Lemos da Cruz que vem desenvolvendo estudos entre a relação entre intestino e saúde cardiovascular. «Nós estamos começando a estudar isso. A flora intestinal está no meio do processo que vai da ingestão, digestão e produção de substâncias que vão para o plasma sanguíneo».

Para o cardiologista Leandro Costa, há ainda uma relação entre o bom funcionamento da flora e o tipo de alimentação. «A mudança vem a longo prazo, não apenas em detrimento daquilo que você utiliza, mas ao tipo de microbiota que você seleciona a partir das escolhas alimentares que você faz».

Ainda de acordo com o cardiologista, indivíduos com alimentação e microbiota saudável, ao comerem carne ou alimentos processados, possuem melhores condições de metabolizar. «Essas exceções não vão trazer um aumento de risco cardiovascular, mas sim a regra», afirma.

Para além de alimentação balanceada e o não consumo de alimentos processados e embutidos, as orientações dos médicos para uma melhor saúde intestinal são: fazer atividade física regular, controlar o nível de estresse, parar de fumar, ter uma quantidade adequada de sono todos os dias e fazer uso de probióticos, se houver orientação médica.

Sigue leyendo
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio

Tendencias