Conectate con nosotros

Foz de Iguazú

Pandemia está descontrolada no Brasil; mais de 3 mil mortes em 24 horas

Publicado

en

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A escalada desenfreada de mortes no Brasil em decorrência do novo coronavírus atingiu nesta terça-feira (23) um patamar aré recentemente inimaginável: em apenas 24 horas, 3.158 mortes por Covid-19 foram registradas no país, que vive o pior momento de sua crise sanitária desde que o Sars-CoV-2 foi detectado pela primeira vez, em fevereiro de 2020.

O país também registrou 84.996 casos, o quarto maior valor observado. Assim, o Brasil chega a 298.843 óbitos e a 12.136.615 infecções pelo coronavírus desde o início da pandemia.

O recorde anterior de mortes em 24 horas era de 2.798 vítimas e ocorreu no último dia 16.

Os dados dos últimos dias e os sucessivos recordes mostram, também, que a tendência é de aceleração, sem sinais de inflexão no horizonte enquanto a campanha de vacinação avança lentamente, com menos de 2,7% da população adulta imunizada com as duas doses necessárias.

Esse descontrole, para os estudiosos, resulta tanto do surgimentos de variantes mais vorazes do vírus no país como da falta de uma política nacional de combate à pandemia, sem o empenho do governo do presidente Jair Bolsonaro em promover o distanciamento social, municiar hospitais e investir na compra, a tempo hábil, das doses necessárias de vacinas.

O enorme número de vítimas registrado nesta terça é comparável aos atendados terroristas de 11 de setembro de 2001, que marcaram a história dos Estados Unidos. Representa, também, mais de 19 vezes o número de mortes no acidente entre o jato Legacy e um Boeing da Gol, na Amazônia, e mais de 15 vezes o acidente do Voo 3054 da Tam, em São Paulo (SP).

Somente os Estados Unidos chegaram a um nível diário de mortes por Covid tão elevado, tendo registrado 4.470 mortes em 11 de janeiro de 2021, segundo a Universidade Johns Hopkins. O monitoramento do jornal americano The New York Times, aponta que o país chegou a registrar 5.463 mortes em 24 h (12 de fevereiro de 2021), mas devido a anormalidades de divulgação de dados.

Um olhar para as últimas semanas no Brasil mostra que as mórbidas marcas americanas podem não estar tão longe. O Brasil ultrapassou, pela primeira vez, os 2.000 mortos pela Covid em 24 horas no dia 10 deste mês. Desde então, os dois milhares de vidas perdidas se tornaram praticamente o padrão nos registros feitos pelo consórcio de veículos de imprensa junto às secretaria de saúde dos estados.

Os dados brasileiros são os aferidos pelo consórcio integrado por Folha de S.Paulo, UOL, G1, O Estado de S. Paulo, Extra e O Globo e coletados até as 20h.
Dos 14 dias desde o primeiro registro (e contando com o dia 10), nove registraram mais de 2.000 mortes e outros flertaram com a marca. As exceções foram os domingos e as segundas-feiras, dias em que, por atrasos de notificação, os dados costumam ser menores. Mas mesmo nessas datas, as mortes foram superiores a 1.000.
Levando em conta o tamanho das populações, a situação do Brasil já se tornou equiparável ao que passou os Estados Unidos no pior momento da pandemia. O país norte-americano, em janeiro deste ano, alcançou 13,5 mortes por milhão de habitantes no seu pior dia, segundo o site Our World in Data. Na última semana, o Brasil atingiu 13,3 mortes por milhão de habitantes.
A diferença é que, após a posse, em janeiro, do democrata Joe Biden, que promoveu uma guinada na política de enfrentamento da pandemia -com uso obrigatório de máscara, discursos demonstrando a seriedade da situação, auxílio emergencial e aceleração de vacinação em massa-, os EUA viram os casos e as mortes despencarem.
Neste momento, o Brasil é o epicentro mundial da pandemia, despertando em países vizinhos e distantes preocupação pelo total descontrole da disseminação do Sars-CoV-2 e de suas ameaçadoras variantes, como a P.1, e pela aparente impotência e inoperância de diversas esferas governamentais no combate à doença.
A OMS (Organização Mundial da Saúde) tem adotado um tom direto e preocupado com a situação brasileira.
Junto ao descontrole da transmissão começaram a colapsar os sistemas de saúde pelo país. O Amazonas, no início de 2021, serviu de sentinela e prenúncio para o caos hospitalar, falta de oxigênio e drogas para intubação, vistos hoje em todas as regiões.
Nesta terça, o Brasil completou 25 dias consecutivos de recordes na média móvel de mortes, que atingiu 2.317 óbitos por dia. Isso representa cerca de 26% das mortes do mundo (considerando a média mundial como cerca de 8.931).
Considerando o total de óbitos, o Brasil concentra cerca de 11% das vítimas mundiais da Covid, embora tenha 2,7% da população do mundo. Mas a tendência se agrava: na última semana, 1 em cada 4 pessoas no planeta que morreram de Covid estava no Brasil.
A situação nacional não piorou de repente. Alertas de maior disseminação do vírus, com aumento de casos e mortes, começaram a ser soados por pesquisadores ainda nos meses finais de 2020, em período próximo às eleições.
Enquanto a situação de seteriorava mais lentamente, aumentava a preocupação -e novos alertas foram dados- de que as festas de fim de ano pudessem tirar a situação ainda mais de controle.
Outros países optaram por medidas rígidas, limitando mesmo festas de família, mas o Brasil, de forma geral, decidiu somente por fechamento de praias e comércios nos dias de festividade, o que não impediu viagens e diversos registros de aglomeração.
A festas passaram, as mortes aumentaram e chegou o Carnaval, mais um momento de tensão. Mesmo com o feriado cancelado, também foi possível notar movimentações pelo país e, novamente, registros de festas.
Nesta terça o Brasil completa 62 dias seguidos de média móvel de mortes acima de 1.000 e 74 acima de 900, patamar que em meados de 2020 assutava a população. Essa média é um instrumento estatístico que permite suavizar flutuações nos dados derivadas de gargalos nos sistemas de registro, como é comum em fins de semana e feriados.
Agora, aproxima-se a Páscoa e, mais uma vez, há preocupação de especialistas. Enquanto isso, grandes cidades pretendem implementar medidas como megaferiados, para diminuir a movimentação de pessoas.
Uma dessas cidades é São Paulo, capital do estado que registrou, nesta terça, o recorde de 1.021 mortes pela Covid em 24 horas. Aos domingos e segundas-feiras, é comum que os dados sejam menores pelos atrasos citados anteriormente. Porém, os dados paulistas nesses dias recentes não foram tão inferiores, em comparação a semana anteriores, para um represamento representativo o suficiente para explicar os óbitos nesse nível.
A esperada vacina tem chegado a conta-gotas. Dados atualizados pelo consórcio de imprensa junto a 25 estados e Distrito Federal, mostram que, ao todo, o Brasil aplicou 17.129.088 doses de vacina (12.793.737 da primeira dose e 4.335.351 da segunda dose) .
Isso significa que somente 7,95% dos brasileiros maiores de 18 anos tomaram a primeira dose e só 2,69%, a segunda, podendo serconsiderados imunizados. Nas últimas 24 horas, 514.178 pessoas tomaram a primeira dose da vacina e 92.826, a segunda.

Sigue leyendo
Anuncio
Anuncio
Anuncio

Facebook

Tendencias