Conectate con nosotros

Notas

Produção agrícola deve garantir alento para a economia brasileira em 2020

Publicado

en

A produção agrícola deve garantir um alento para a economia brasileira em 2020 e evitar uma queda ainda maior do produto interno bruto por causa da pandemia do novo coronavírus. O campo deve produzir 250 milhões de toneladas.

O milho plantado pelo agricultor Luiz Carlos Nardi, em Mato Grosso, só vai começar a ser colhido em maio. Mesmo assim, mais da metade da produção já foi vendida. “Eu tenho em torno de 60% já comercializado dessa safra que eu vou colher. Já tem alguma coisa comprometida para 2021 em termos de troca de produto. Eu entrego milhos, para receber fertilizante, para plantar a próxima safra”, contou.

A venda antecipada deu segurança ao setor, que projeta altas para 2020 mesmo com a pandemia do novo coronavírus. Segundo o último levantamento da Conab, a Companhia Nacional de Abastecimento, a produção de milho deve subir, chegando a quase 102 milhões de toneladas.

O volume de soja deve ficar praticamente estável, com 122 milhões de toneladas. Já a expectativa para o algodão é de produção recorde, estimada em 2,88 milhões toneladas da pluma. A previsão da Conab é que o Brasil exporte 113 milhões toneladas de grãos em 2020.

Daniel Latorraca, especialista de mercado e superintendente do Instituto Mato-grossense de Agropecuária, explica que os estoques de alimento no mundo já estavam baixos e que a situação ficou pior com o avanço da pandemia.

“A prioridade dos governos nacionais, no mundo todo, é saúde e alimentação. Então, como é um bem essencial, é basicamente uma busca incessante dos alimentos que tem. A gente tem poucos estoques, então o que vai acontecer é que o preço sobe um pouco mais”, explicou.

João Birkhan, consultor de grãos, afirma que o aumento da venda de grãos vai ajudar a manter os empregos em outros setores da economia num momento tão difícil.

“Esse pessoal todo que atende com exclusividade o campo também terá a sua atividade preservada, seus empregos, sem problema nenhum. Já aqueles que atendem parcialmente o campo já vai ajudar, porque não vai haver o desemprego total. Vamos pegar assim um exemplo de uma fábrica que produz caminhões: ela não produz caminhões só para o agro, produz para todas as atividades brasileiras. Mas essa atividade do agro vai garantir uma boa parte dos empregos nesse segmento”, avaliou.

Um dos desafios dos produtores é manter o vírus longe. Por isso, a rotina em muitos lugares já mudou. Todos que chegam às fazendas têm que passar por barreiras. É preciso higienizar as mãos. Também é feita a medição da temperatura, sempre mantendo a distância de segurança e depois disso, se tudo estiver ok, aí sim, é permitido entrar. Tudo isso é para garantir a segurança dos funcionários que estão trabalhando.

Na região, são feitos dez carregamentos por dia. Cinco carretas entram na fazenda para embarcar a soja e a outra metade aguarda do lado de fora. “Nós estamos carregando dez caminhões por dia, sendo que, no ano passado, nós carregávamos 30 por dia. Então caiu para dez”, explicou Fernando Souza, gerente da fazenda. JN

Sigue leyendo
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio
Anuncio

Facebook

Tendencias